Páginas

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

"Pegar sete caras. Pegar nove “mina”. A gente está falando de quê, de catadores de lixo? Pegar, pega-se uma caneta, um táxi, uma gripe. Não pessoas. Pegue-e-leve, pegue-e-largue, pegueeuse, pegue-e-chute, pegue-e-conte-para-os-amigos. Pegar, cá pra nós, é um verbo meio cafajeste. Em vez de pegar, poderíamos adotar algum outro verbo menos frio. Porque, quando duas bocas se unem, nada é assim tão frio, na maioria das vezes esse “não estou nem aí” é jogo de cena. Vão todos para a balada fingindo que deixaram o coração em casa, mas deixaram nada. Deixaram a personalidade em casa, isso sim." Martha Medeiros
“Eu briguei com meu coração. Disse que jogasse o amor antigo fora. Ele deu nó. Coração não entende ordens. De um lado a razão exigindo. De outro o coração tentando. A verdade é que nem tudo sai como o planejado. Mas a gente tenta. Um amigo meu me disse que fica surpreso como eu racionalizo os sentimentos. Eu perguntei se falava de mim. Acho que sofro calada. Calada. Maquiada. E de salto alto. Mas manter a pose cansa. Cansa ser racional. Cansa enganar o coração. Cansa ser forte. A verdade é que hoje eu vi um livro que você me deu e chorei calada. Porque é feio chorar por amor perdido. Mas… quer saber? Estou com sinusite. E não estou nem aí para escrever bonito. Quero respirar de novo e amar alguém como um dia eu te amei. Alguém aí acredita em segundo amor?” Fernanda Mello

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

''Eu queria te contar que agora não dói mais. Só que agora não importa tanto o que você vai pensar sobre isso. Queria que você soubesse que já vi nossos filmes milhares de vezes e nem chorei. Ok, chorei. Mas pelo filme, e não por você. Queria que você soubesse que tirei a poeira das nossas músicas, e que as ouço quase todos os dias. Porque elas me faziam mais falta do que você fez. Os nossos lugares não são mais nossos. Eu já voltei lá com outras pessoas, e escrevi lá outras histórias… Eu estou aprendendo a tocar violão. E a primeira música que toquei foi aquela música que era uma espécie de hino pra nós dois. Ela é tão linda…e sim, ela continua sendo muito nossa e lembrando demais você. Mas ainda sim, não dói. Você não pergunta essas coisas, mas sei que gostaria de saber. Porque te conheço. E isso não mudou. Do mesmo jeito que adivinhei as coisas ruins que você aprontaria, eu sei as coisas boas que ficaram aí em você e te fazem lembrar de mim. Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.'' Caio F. Abreu

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

“Em alguns dias dói. A tristeza puxa os cabelos, arranha a cara, machuca dentro. E a gente não tem mais nada pra fazer a não ser dizer que tá tudo bem. Porque vai passar, passa. Só que antes de passar maltrata. E, entenda, a pior dor é aquela que ninguém vê. Só ela, a tristeza.” Clarisse Corrêa
"Há dias quero falar. Há dias em que bate uma tristeza que não tem remetente. Há dias preciso dizer isso. Há dias em que só a repetição fala. Há dias em que o sol não aparece. Há dias em que o coração fica pingando feito torneira enferrujada. Há dias em que a voz cala.
Cansei de ser gente. Dá muito trabalho marcar presença. Juntar passado, presente e futuro e misturar limão e açúcar. Seria mais fácil se a gente dissesse o que quer, como, de que jeito. Mas não. Gente nunca faz isso. Gente como eu espera que o outro saiba-descubra-perceba. Gente como você quer se sentir especial. Por que a gente quer a todo instante saber que é importante? Cansei de ser gente. Sinto que os dias passam, a pele envelhece, o coração acumula aprendizado, os pés ficam exaustos no final do dia, a vida não para de caminhar para aquele lado. No meio disso, eu. Me perdendo, achando, sobrevivendo. Porque em alguns dias a gente só sobrevive. E eu cansei de ser gente." Clarisse Corrêa
"E o amor?, você me pergunta. O amor, ah, sei lá. O amor nem dá pra definir direito. Acho que é um desejo de abraçar forte o outro, com tudo o que ele traz: passado, sonhos, projetos, manias, defeitos, cheiros, gostos. Amor é querer pensar no que vem depois, ficar sonhando com essa coisa que a gente chama de futuro, vida a dois. Acho que amor é não saber direito o que ele é, mas sentir tudo o que ele traz. É você pensar em desistir e desistir de ter pensado em desistir ao olhar pra cara da pessoa, ao sentir a paz que só aquela presença traz. É nos melhores e piores momentos da sua vida pensar preciso-contar-isso-pra-ele. É não querer mais ninguém pra dividir as contas e somar os sonhos. É querer proteger o outro de qualquer mal. É ter vontade de dormir abraçado e acordar junto. É sentir que vale a pena, porque o amor não é só festa, ele também é enterro. Precisamos enterrar nosso orgulho, prepotência, ciúme, egoísmo, nossas falhas, desajustes, nosso descompasso. O amor não é sempre entendimento, mas a busca dele. Acho que o amor não é o caminho mais fácil, pois mais fácil seria dizer a-gente-não-se-entende-a-gente-não-combina-tchau-tchau. O amor é uma tentativa eterna. E se você topar entrar nessa saiba que o amor encontrou você. Seja gentil, convide-o para entrar." Clarisse Corrêa

“Desocupar é a ordem. Desocupar, também, do meu coração. Cansa dar bola e se importar com gente que não está nem aí. O problema é que não mudo nunca: me ocupo de todo mundo. É por isso que sempre falta espaço aqui dentro, até mesmo pra mim. Ainda bem que o-dia-de-Maria tá funcionando com papéis, roupas e tudo mais. Um dia viro a-Maria-dos-sentimentos.” Clarisse Corrêa
''Não adianta tentar tirar da cabeça quem se alojou no coração. Não adianta fingir que não sente na tentativa de passar a não sentir. E quer saber? Te amo. Te amo de um jeito que eu tento explicar e não sei. Palavra fica presa. Engasgo, afogo e uso palavras pela metade. Na hora H sempre falta uma vogal. Mas quer, de novo, saber? Meu coração nunca foi pela metade: sempre foi-inteirinho-seu. Plim!'' Clarisse Corrêa

Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. Sou gente. Sou humana. Sou manhosa. Sou assim. Quero que as coisas aconteçam já, logo, de uma vez. Quero que meus erros não me impeçam de continuar olhando para a frente. E quero continuar errando, pois jamais serei perfeita (ainda bem!). Tampouco quero ser comum e normal. Quero ser simplesmente eu. Quero rir, sorrir e chorar. Sentir friozinho na barriga, nó no peito, tremedeira nas pernas. Sentir que as coisas funcionam e que tenho que trocar de jeito quando insisto em algo que não dá resultado. Quero aprender e, ainda assim, continuar criança. Ficar no sol e sentir o vento gelado no nariz. Quero sentir cheiro de grama cortada e café passado. Cheiro de chuva, de flor, cheiro de vida. Aprecio as coisas simples e quero continuar descomplicando o que parece complicado. Se der pra resolver, vamos lá! Se não dá, deixa pra lá. A vida não é complicada e nem difícil, tudo depende de como a gente encara e se impõe. Quero ser eu, com minha cara azeda e absurdamente açucarada. Não quero saber tudo e nem ser racional. Quero continuar mantendo o meu cérebro no lugar onde ele se encontra: meu coração. E essa é a melhor parte de mim." Clarissa Corrêa

"Eu não sou legal, não mesmo. Acho que sempre tenho razão e quando minhas previsões dão certo olho com a cara mais abominável do mundo, dou um sorriso irônico e falo o clássico eu-te-avisei. É que, em geral, eu tenho razão. Essa é a primeira –e mais importante – coisa que você precisa aprender a meu respeito. (...) Não sei receber elogios, fico sem saber o que fazer, me atrapalho e acabo trocando de assunto – quando não troco as pernas e tropeço em algum canto de mim. Sorrio para disfarçar desconfortos. Se eu não gosto de você é bem provável que você tenha medo do meu olhar. E eu posso simplesmente não gostar de você de graça. Se eu gostar de você aviso de antemão que você é uma pessoa de sorte. Eu me entrego. Quem vive comigo sabe. Quem convive comigo sente. Eu amo poucos. Mas esses poucos, pode apostar, amo muito." Clarissa Corrêa
A vida caminha numa boa e, de repente, a gente tropeça em alguém. Ah, desculpa, foi sem querer. E aquela pessoa, de alguma forma, desperta algo em nós. Aquele algo aumenta. Modifica. Se transforma. Dá vontade de dizer “segura a minha mão e não solta mais”. E a vida nos prega uma peça. Das histórias mais malucas surge aquele sentimento que não te dá trégua. E a gente pensa que é impossível, que é maluco, doido, louco. Mas real. E a gente faz uma série de historinhas mentais. Imaginamos diálogos, cenas, dias, noites, momentos. E o que sentimos vai crescendo, a pessoa não sai mais do nosso pensamento, dá vontade de abraçar e não soltar nunca mais. Dá vontade de olhar pra cara dele, sacudir e dizer que sim, te quero. Te gosto. Te adoro. Te tudo. E fica comigo pra sempre. E vamos ser felizes. Porque as coisas são assim mesmo, é fácil, simples, descomplicado e romântico. Não precisa drama, nem pensar em problemas. — Clarissa Corrêa
"Pra você que não aprendeu a ser feliz e que não tem olhos pra esticar horizontes, eu canto o meu refrão: ‘Sendo aquele que sempre traz amor, sendo aquele que sempre traz sorrisos. E permanecendo tranquilo aonde for. Paciente, confiante, intuitivo."

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

''Sempre fui geniosa. Opinião forte,do tipo que defende quem ama e não leva desaforo para casa. Quando gosto fica estampado na minha cara. E quando não gosto meu sorriso não sabe usar máscara. Por mais que eu tente não consigo disfarçar. Quando vejo estou fazendo,ainda que sem querer,caras,bocas e caretas. É quase impossível controlar.''

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Como dizia o poeta
Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não
(Vinícius de Moraes)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

‎"Não perca seu tempo comigo. Porque eu não quero entrar no seu carro se não puder entrar na sua vida. Não me conte seu passado se eu não puder viver seu presente. Não faça planos comigo se não me incluir no seu futuro. Não me apresente seus amigos se, amanhã, vou virar só mais uma. Me poupe do trabalho de adivinhar seus pensamentos. Diga que me quer apenas quando for verdade. Diga que está com saudade a penas se sentir minha falta do seu lado. Peça minha companhia quando não desejar só meu corpo. Me ligue quando tiver algo pra dizer. Mas, por favor, me esqueça quando não estiver mais afim de mim."
Se acalma pequena, quem foi feito um para o outro o destino dá um jeito de unir.
‎''De vez em quando me sinto um pouco sozinho, porque as minhas estorelhas amorosas continuam não dando certo nunca, mas logo passa. Tenho paciência e confio que Jesuzinho um dia e de repente me mande uma pessoa divina-maravilhosa. Ou não: mas de qualquer forma tenho a minha tarefa.''

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

“Dias escuros sem sorrisos, sem risadas de verdade. Dias tristes, vontade de fazer nada, só dormir. Dormir porque o mundo dos sonhos é melhor, porque meus desejos valem de algo, dormir porque não há tormentos enquanto sonho, e eu posso tornar tudo realidade. Quando acordo, vejo que meus sonhos não passam disso, sonhos; e é assim que cada dia começa: desejando que não tivesse começado, desejando viver no mundo dos sonhos, ou transformar meu mundo real num lugar que eu possa viver, não sobreviver.”
É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou. É loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu, descrer de todo amor porque um deles te foi infiel. É loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Espero que na tua caminhada não cometas estas loucuras. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força. Para todo fim, um recomeço!
— O Pequeno Príncipe
“Daí, um dia desses me deram um pedaço de papel para eu colocar o que mais queria dessa vida. Desenhei assim meio torto, um sorriso seu. Ninguém entendeu. Mas nem precisava.”
''Tem dias em que tudo se encaixa, como no momento das peças finais dos quebra-cabeças, e tem aqueles em que tudo se desencaixa numa aflição tonta de não haver sentido nem paz, amor, futuro ou coisa alguma. Tem dias que nenhum beijo mata a fome enorme de outra coisa que seria mais (e sempre menos) que um beijo. Mas tem aqueles outros, quando um vento súbito e simples entrando pela janela aberta do carro para bater nos teus cabelos parece melhor que o mais demorado e sincero dos beijos. Precisamos dos beijos, precisamos dos ventos. Tem dias de abençoar, dias de amaldiçoar. E cada um é tantos dentro do um só que vê e adjetiva o de fora que escapa, tão completamente só no seu jeito intransferível de ver.''

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Era só esperar o momento certo para equilibrar-me

A alma meio altiva, meio terra.

Segurar firme e virar-me ao avesso

Quieto como a árvore, apressa os passos.

Oferece o corpo ao vento e pula

De andar. De andar despenca da vida como uma folha

E então leve, sobe vagamente como uma sombra.

Parto sem rumo ao desconhecido.

E desperto pra vida como um pássaro

E sei, que nada está perdido, nem eu.

Amanhã, como um pássaro cuidando do seu ninho, recomeço.

Fernando Oliveira.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

"[..] Então comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável, pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama amor-próprio. Desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida começa."
Charles Chaplin
"Pago as consequências por ser extremista com frequência. Mas, de fato, a pior delas é vivenciar a interminável briga entre o cérebro e o coração. É intensa, ácida. É como estar entre o céu e o inferno. É como se estivéssemos em um desenho animado e não soubéssemos discernir o anjo do diabo. É como estar dentro do ringue acompanhando a luta entre dois rivais e levar as dores por ambos. É como ouvir o time racional vibrar de alegria quando desobedecemos o time emocional. É como estar no meio de uma ponte prestes à se desfazer, sem saber para qual lado correr. E quando finalmente arriscamos uma alternativa, temos que conviver com o eterno mistério de não saber se realmente foi a escolha certa para você..."
Luan Lobo
"Assim sou eu. Não sou diversão nem passatempo pra ninguém. Tenho cabeça, coração e me respeito. Minha beleza está na minha essência e no meu caráter. Acredito em sonhos, não em utopia. Mas quando sonho, sonho alto. Estou aqui é pra viver, cair, aprender, levantar e seguir em frente. Sou isso hoje, amanhã, já me reinventei. Reinvento-me sempre que a vida pede um pouco mais de mim. Sou complexo, sou mistura, sou garoto, moleque, vilão, mocinho. Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar... Não me dôo pela metade, não sou teu meio-amigo nem teu quase-amor, sou tudo ou sou nada. Não suporto meios-termos.
Sou bobo, mas não sou burro. Sou ingênuo, mas não sou santo. Sou pessoa de riso fácil... e choro fácil também. Sorrio quando quero gritar, canto quando quero chorar; choro quando estou feliz, dou risada quando estou nervoso. Brigo por aquilo que acredito; não levo "não" como resposta quando acredito que existe melhor solução. Não sou difícil, só não sou fácil."
"O diabo desta vida é que entre cem caminhos temos que escolher apenas um,e viver com a nostalgia dos outros noventa e nove."
Fernando Sabino
Quando tínhamos 5 anos,perguntavam o que queríamos ser ao crescermos.Respondíamos coisas do tipo astronauta,presidente.Ou no meu caso,princesa.Quando tínhamos 10 anos,perguntavam de novo.Respondíamos astro do rock,caubói.Ou no meu caso,medalhista de ouro.Mas agora que crescemos,querem uma resposta séria.Bem,que tal esta? “Sei lá eu!”.Não é hora de tomar decisões difíceis e rápidas.É hora de cometer erros.Pegar o trem errado e ficar preso em algum lugar.Apaixonar-se.Muitas vezes.Especializar-se em Filosofia,pois não dá para ganhar a vida com isso.Mudar de idéia e mudar de novo,porque nada é permanente.Cometam todos os erros que puderem.Assim,um dia,quando perguntarem o que queremos ser,não precisaremos adivinhar.Saberemos.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

“Mas dá um frio na barriga, um tremor, um medo de depender de alguém, de sofrer, de escolher errado, de lutar por algo que não vale a pena. Porque o coração nem sempre é mocinho. Foi por isso que corri, tentei fugir, mas quando tem que ser, não adianta, será.” Caio Fernando Abreu.
Acorde,garota! Você é linda,inteligente,tem um ótimo perfume,e seus olhos brilham mais que um punhado de purpurina. Por que choras? Perdeu em alguma esquina seu encanto? Ninguém pode tirar de você seu mais belo sorriso,motivo de idas e vindas saltitantes. Coloque sua música favorita pra tocar,respire fundo e faça o que de melhor sabe fazer: Ser você.